É assim que faço pra combater ansiedade (em Londres!) | Blog do Enrique

É assim que faço pra combater ansiedade (em Londres!)

Só de me tornar consciente de que estava tenso, fiquei menos tenso.



Claro que não foi mágica — também fiz por onde: além de aumentar a frequência de passeios no parque (mesmo que a custo de alguns prazos no trabalho) e de tomar cerveja a partir do meio-dia 🍺 analisei o tamanho real dos meus problemas: pequenos, no panorama de coisas inesperadas que podem acontecer no futuro breve.


E coisas inesperadas sempre acontecem.



Quando eu tomo como referência o fato de que tudo poderia ser pior — como é pra muita gente passando fome, sendo coagida, e impossibilitada de viver mesmo estando viva — piso no freio: olha quanto privilégio eu tenho pra colher!


Talvez você tenha um monte de privilégios também, possivelmente não os mesmos que tenho por minha etnia ou criação, mas privilégios à certa infraestrutura pra olhar o Instagram, cagar e dar descarga, tomar banho e dormir, por exemplo — e isso já e muita coisa.



Acha exagero eu observar as coisas assim? Talvez seja.


Só que pensar assim me ajuda a ter sincera gratidão pelas coisas que posso fazer usando o que tenho no momento — e quando a gente sente gratidão, as dolorosas sensações das ausências e frustrações dão lugar pra um relaxamento rejuvenescedor.



Por que sinto que tô correndo contra o tempo se:



Qual é meu medo? Qual é a razão pra tanta ansiedade se ainda tenho peculiaridades que me ajudam a ser otimista mesmo no pior cenário possível do meu futuro breve?


A resposta é: não tenho motivos para me preocupar em excesso.



Tudo que preciso fazer é praticar esse otimismo, viver no meu ritmo e não deixar de fazer o que amo, custe o que custar — e eu amo escrever livros e fazer vídeos, caso você não saiba.


Nenhum estado da vida é permanente.

E por enquanto posso me virar muito bem. ■



0 visualização
0

ENRIQUE 'SEM H' COIMBRA | 2020