Minimalismo: O que é vida frugal? | Enrique Sem H

Minimalismo: O que é vida frugal?

Assista esse texto no YouTube, IGTV ou Facebook.

Já pensou em não precisar de dinheiro, de carro, de roupas novas ou da aparências pra ser feliz? Sabia que o estilo de vida frugal se encaixa exatamente com isso?


Lanço vídeos de minimalismo no canal Enrique Sem H faz um tempo e sempre fico feliz de ver o interesse das pessoas buscando diminuir a quantidade de coisas que elas acumularam - pra assim terem menos ansiedade, mais liberdade física, e pra irem contra a maré de consumismo desenfreado que coloca a gente pra trabalhar feito escravo pra comprar porcarias que a gente nem precisa...


O minimalismo e o estilo de vida frugal combinam bastante mas não são a mesma coisa. Por quê?


ESTILO DE VIDA FRUGAL


O estilo de vida frugal é o estilo de vida simples, de viver mais com menos, mas não focado à quantidade de objetos como acontece no minimalismo - não que a felicidade dos minimalistas esteja ligada à quantidade de objetos no inventário.


ESTILO DE VIDA MINIMALISTA


No minimalismo a gente diminui a quantidade de coisas que a gente tem só pro essencial, pro que a gente precisa pra viver e trabalhar bem, com conforto.


O estilo de vida frugal não tem essa ideia de diminuição somente. Ele prega que você não precisa de muito para ser feliz.


Fomos educados a pensar que objetos e dinheiro estão estritamente ligados à satisfação pessoal e ao sucesso, e isso não é verdade.


Satisfação pessoal e sucesso são parâmetros pessoais. Ninguém deveria dizer o que é sucesso pra você, ou o que deveria ser sua felicidade. Ninguém deveria colocar na sua cabeça que uma casa arrumada - uma casa bonita e confortável - é uma casa com televisão de 52 polegadas passando Globo 24 horas.


Nem ter o carro do ano ou usar roupas de marca que todo mundo tá usando. Claro que isso pode ser felicidade pra você, mas saiba: antes de ela ser felicidade pra você, alguém, em algum momento da sua história, te ensinou - te condicionou - a pensar dessa forma.


E nem te deram a chance de opinar, porque desde crianças somos treinados a querer dinheiro pra comprar, comprar, comprar!


Quantas pessoas você conhece que guardaram dinheiro pro futuro ou pra algum objetivo maior?


Você consegue guardar dinheiro, por exemplo?


Na vida frugal a gente tenta recondicionar nosso cérebro a pensar que já temos tudo o que precisamos.


Claro que se você tá passando fome você não tem tudo que precisa! Tem um limite aí, não precisamos exagerar!


Com a vida frugal e com o minimalismo a gente para de sofrer pelo que a gente não tem e passa a aproveitar o que tem. Quando fazemos isso, finalmente ganhamos força emocional pra correr atrás das coisas que a gente precisa.


A gente não sofre pela falta - a gente faz por onde, porque a falta é só uma motivação; um desejo que não é só um desejo: ele é entendido, é observado. A gente entende por que precisa de um celular novo - não pra jogar na cara que tem um iPhone, mas porque o novo iPhone seria ideal pro nosso trabalho.


Ainda assim, pra chegar nessa conclusão é necessário se perguntar se já não é possuído um objeto que possa servir pro mesmo objetivo: talvez outro dispositivo, dispositivo de segunda mão ou algo do tipo.


Através do estilo de vida frugal a gente tenta pensar fora da caixa - a gente olha debaixo do pano que a sociedade e o capitalismo jogaram por cima da nossa felicidade e disseram pra gente:


Não existe felicidade aqui! Não existe felicidade se você não tem "isso", ou "aquilo", ou se não conquistou "tal coisa"!

Já fui vítima disso, posso dizer: tudo que eu queria era ficar rico fazendo vídeo pra internet, mas só ganhei prejuízo, e mesmo assim sempre amei o que fiz e fui atrás do que meu coração me dizia pra fazer.


E sofri muito por isso.


Quando escrevi meus livros as pessoas me disseram que eu seria um fracasso; que apesar de muito legal e culto, livros não vendem no Brasil porque as pessoas não leem.


Quem disse isso estava certo: me fodi mesmo. Mas me fodi fazendo o que amo.


Depois de ter passado pelos períodos obscuros aceitando que não obtive o sucesso que me colocaram pra correr atrás - porque se não tivesse sucesso meu conteúdo seria irrelevante pra mim e pras pessoas, e isso criava pressão pra continuar correndo atrás - percebi que não interessava o quanto dinheiro sobraria.


Ou se um milhão ou cinco pessoas me assistiriam.


Só preciso seguir meu coração e fazer o que tenho que fazer. E o que tenho que fazer? Posso escolher! Posso definir o que é sucesso pra mim! Posso definir o que é uma vida confortável também!


Eu nem sabia que estava vivendo de maneira frugal quando comecei a viver assim. Hoje posso dizer que não voltaria atrás, porque hoje, em vez de achar que deveria ir pra balada me divertir com minhas roupas bonitas, posso ir pra praia que é pertinho da minha casa.


Falando nisso, moro numa casa simples, de aluguel barato, não tem espaço pra fazer nada, mas é pertinho da praia - e esse era o objetivo! Eu não podia pagar por um lugar mais caro, ainda mais perto do mar, mas o caminho daqui pra lá é tão belo que vivo em êxtase!


Quando a gente simplifica a vida real, a gente tem menos problemas, menos dívidas, mais dinheiro sobrando, e apreciamos as coisas que não tínhamos como apreciar antes, vivendo sob pressão da vida urbana.


Tenho uma amiga que vive reclamando que precisa trocar de sapatos porque depois de 6 meses eles ficam velhos e ela tem vergonha de a verem repetindo calçados. Pra ela deve ser mesmo um problema! Ela deve perder o sono por causa disso!


Eu acho que é um problema ínfimo: existem problemas que, se você comparar com certa clareza e bom senso crítico, você vê que são mais graves que outros, certo?


Só que a gente nunca vai ver isso estando de frente pro problema. A gente tem que dar uns passos pra trás pra conseguir ver o tamanho real dele: se gigantesco ou pequenino. De perto tudo é igual.


Sofrimento é sofrimento, sempre insuportável pra quem sofre - fica difícil julgar. Então só pude saber que estava sofrendo por um monte de besteira - como meus dentes tortos ou meu cabelo cacheado - porque nunca parei pra sentir essa questão na pele de forma consciente.


É aí que autoconhecimento e vida frugal também se casam, porque uma vez que você para de ouvir o que você deveria estar buscando, ou como a felicidade deveria ser pra você, você passa a se perguntar:


O que realmente quero? O que me faz bem de verdade?

Chega uma hora que você não quer mais esperar. Você larga tudo e vai atrás de outra coisa.



COMO SER FRUGAL?


Se você se identifica com a vida frugal, tudo que você precisa fazer é simplificar.


Questione seus problemas. Questione suas necessidades. Seus prazeres são reais? Ou será que estão te fazendo mal?


Porque tenho amigos que trabalham bastante, fazem muito dinheiro e gastam tudo com churrasco e cervejadas.


Passei por algo similar: estava na vida em sociedade, trabalhando feito condenado pra entregar às pessoas algum resultado que deveria ser só meu, e a infelicidade de estar fazendo isso ficou no fundo da minha cabeça, rodando feito vírus no computador.


A única forma de quebrar esse ciclo e a pressão que eu sentia era me divertindo. E como eu me divertia? Bebendo pra caralho.


Queria justificar pra mim o porquê de eu trabalhar tanto. Não era por amor, nem desejo, nem inspiração como é hoje pras coisas que faço - como meu canal no YouTube ou meus livros!


Era por pressão da família, dos amigos, por competição e por medo do futuro. Ainda tenho medo dele, mas não sou mais controlado pelo medo. Há certo conforto dentro de mim hoje, uma saciedade, e devo aos pensamentos minimalistas e frugais essas mudanças que aconteceram naturalmente pra mim.


Talvez esteja acontecendo naturalmente pra você também, porque há uma razão pra você estar lendo esse texto, não acha?


Por isso mesmo compartilhe o texto e o vídeo pra todas as pessoas que você puder. Vamos mostrar pra elas que é possível viver mais do que esse plano único que a sociedade dita pra gente: podemos inventar nosso sucesso, nossa glória, nossos sonhos e ninguém jamais terá alguma participação nisso!


Chega!

65 visualizações
0

ENRIQUE 'SEM H' COIMBRA | 2020